Chegou ao Brasil: absorventes veganos e orgânicos da Natracare (ecoabsorventes)

Publicado em

Esse ano tem sido de muitas novidades para o mercado de orgânicos no Brasil. Antes da chegada da Natracare ao Brasil, as veganas (ou mulheres que queriam produtos não testados em animais) passavam aperto para comprar absorvente descartável por aqui (já que todas as marcas testam em animais). Felizmente, agora não somos mais obrigadas a recorrer a absorventes convencionais, que são poluentes, testados em animais e nocivos à saúde da mulher.

Os absorventes da Natracare são veganos, hipoalergênicos (isto é, feitos para diminuir o risco de alergias), 95% biodegradáveis,  não testados em animais e confeccionados com algodão orgânico certificado, que permite que a pele “respire”. Em sua composição não levam plástico, superabsorventes de poliacrilatos, derivados de petróleo, ingredientes sintéticos e perfumes. A marca disponibiliza vários modelos de absorventes internos e externos (falo sobre eles no final do post).

Os modelos que a Natracare me enviou para testar foram o Ultra Pads Regular e o Ultrafino. O Ultra Pads Regular é um modelo de absorvente externo com abas, mais fino e indicado para fluxo regular. O Ultrafino é um modelo de absorvente diário que, como o nome mesmo sugere, é bem fino e prioriza a discrição.

absorvente-externo-ultra-pads-regular-com-abas

Visualmente e anatomicamente, os absorventes da Natracare não diferem tanto dos convencionais. Achei que têm uma cobertura macia, design interessante, confortável e é perceptível, pela suavidade do material, que são produtos confeccionados para não agredir o corpo da mulher e o meio ambiente. O meu fluxo é regular, porém nos primeiros dias da menstruação ele tende ao médio.

Como o Ultra Pads Regular é mais fino e para fluxos regulares, não me senti tão segura nesses primeiros dias (apenas depois de uns 3 dias, por aí, quando o fluxo ficou mais contido). Não tive vazamentos e nem passei nenhum sufoco, mas não me arrisquei a ficar mais de 3 horas sem trocar de absorvente quando estava fora de casa. De um modo geral, achei que a cobertura de algodão absorve bem e não decepciona. Nem senti falta do absorvente convencional.

A única coisa que eu poderia considerar um possível defeito é que, certamente por priorizar a pegada ecológica do produto, a parte de trás do absorvente não tem cola ao longo dele todo, apenas em algumas partes. Isso não atrapalha na hora de colá-lo na calcinha, mas dificulta fazer um rolinho com ele ao descartar no lixo. É um detalhe que algumas pessoas vão achar irrelevante, eu mesma não me importei tanto, mas vale mencionar e seria legal se fosse diferente.

Para quem tem um fluxo regular/normal de fato, o Ultra Pads Regular cumpre o que promete. Como o meu varia ao longo dos dias da menstruação e tende ao médio no comecinho, eu optaria pelo Ultra Pads Super com Abas, Pads Regular ou Pads Super (falarei desses modelos mais adiante).

absorvente-externo-ultrafino

Eu não sou adepta dos absorventes diários. No entanto, em algumas ocasiões e certos dias do ciclo, são extremamente úteis, principalmente quando passamos muito tempo fora de casa por algum motivo. O absorvente diário Ultrafino da Natracare é extremamente discreto, macio e confortável. Das vezes que precisei usar, ele me salvou muito. Se eu precisasse usar todos os dias, seria uma opção bem válida. O único porém dessa versão é que os absorventes não são embalados individualmente, portanto não dá para levar na bolsa sem ser na caixa, que é meio grandinha. Mas para quem faz questão disso, a marca disponibiliza a versão “Normal“, que vem com embalagens individuais.

__________________________________

De modo geral, gostei demais dos produtos e acho que não é nem de longe uma opção “quebra-galho” em relação aos absorventes convencionais: são produtos que aliam o respeito ao corpo, ao meio ambiente e aos animais sem deixar a qualidade e eficiência de lado. São bem mais caros que os absorventes comuns, é verdade (preços entre R$12 e R$20 cada caixinha), mas todo dinheiro que gastamos em saúde e preservação do meio ambiente e dos animais é um dinheiro bem gasto e com retornos positivos para nós a curto, médio e longo prazo.

Como prometido, abaixo estão os modelos de absorventes disponibilizados pela Natracare:

Absorventes externos Natracare

Os modelos “Ultra Pads” são mais finos e discretos. Já os “Pads” são um pouco mais reforçados e com cobertura “confortavelmente acolchoada”, segundo a marca.

  • Ultra Pads Regular com Abas: tamanho médio (normal) e indicado para fluxos regulares.
  • Ultra Pads Super com Abas: tamanho um pouco mais comprido que o normal e indicado para fluxos médios.
  • Ultra Pads Super Plus sem Abas: tamanho normal e indicado para fluxos intensos. Sem abas.
  • Ultra Pads Long com Abas: maior tamanho disponível e indicado para fluxos intensos.
  • Pads Regular: tamanho normal, sem abas e indicado para fluxo médio.
  • Pads Super: tamanho normal, sem abas e indicado para fluxo intenso.
  • Pads Night Time: tamanho normal, sem abas e indicado para fluxo muito intenso.
  • Dry & Light: indicado para quem sofre com incontinência urinária.

Absorventes diários Natracare

  • Curved: tamanho normal, sem abas. Modelo feito para se adaptar melhor a diversos tipos de roupa íntima.
  • Mini: menor tamanho disponível, sem abas. Para quem quer absoluta discrição.
  • Tanga: tamanho normal, com aba. Indicado para modelos de calcinha fio dental/tanga.
  • Normal: tamanho normal, sem abas. Tem o diferencial de ser embalado individualmente (ao contrário dos outros da linha), o que facilita na hora de levar na bolsa.
  • Ultrafino: tamanho normal, sem abas. Modelo ultrafino.

Absorventes internos Natracare

  • Regular 10: para fluxos normal ou regular. 10 unidades.
  • Regular 20: para fluxos normal ou regular. 20 unidades.
  • Super 10: para fluxos intensos. 10 unidades.
  • Super 20: para fluxos intensos. 20 unidades.
  • Super Plus 20: para fluxos muito intensos. 20 unidades.

_____________________________

Você pode encontrar os produtos na loja da marca, Lohas Store, ou em lojas como a Beleza do Campo.

Tratamento estético sem testes em animais e usando produtos naturais

Publicado em

IMG-20141016-WA0005 Eu achava que era meio improvável fazer qualquer tratamento estético sem o uso de produtos que não fossem veganos ou que fossem testados em animais. Não passava pela minha cabeça também que existissem profissionais preocupados em usar produtos orgânicos e não impactar o meio ambiente. Mas aí conheci o trabalho da Francine Pezeta, aqui em São Paulo. A Fran é fisioterapeuta, terapeuta corporal e trabalha com um conceito totalmente diferente, chamado “Estética de Cuidados“.

Os produtos usados por ela não são testados em animais e, se o paciente for vegano, a Fran também oferece produtos para esse tipo de público. Os cosméticos usados no tratamento são naturais (ela trabalha com marcas como Alva, Laszlo e muitas outras famosas nesse nicho de orgânicos), o que é um diferencial incrível. A maioria dos procedimentos estéticos convencionais usam produtos extremamente agressivos para a saúde e para o meio ambiente, além de serem testados em animais.

Através do conceito do “slow beauty”, ela procura não só cuidar esteticamente do paciente, mas proporcionar bem-estar. Tudo no tratamento é pensado para trazer conforto, tranquilidade – enfim, cuidar do corpo e da mente. Para tanto, Francine faz uso de um tratamento individualizado, de acordo com as necessidades de cada um e também utiliza óleos essenciais, quando necessário. Para quem não conhece, óleos essenciais são formados por compostos químicos voláteis que concentram todas as propriedades das plantas das quais ele é extraído. São extremamente poderosos e apenas algumas gotas são capazes de trazer benefícios perceptíveis no corpo, fisicamente e psicologicamente.

Há algumas semanas concluí meu tratamento com ela e hoje venho contar como foi! Confere:

Tratamento com Fotomodulação

A fotomodulação utiliza laser de baixa potência para trazer benefícios à pele (e também pode ser combinado a outros produtos, como cosméticos, para trazer maiores resultados). De acordo com a apresentação do tratamento, “a fotomodulação é indicada para rejuvenescimento facial, manchas de sol, marcas de expressão, acne, olheiras. Tem ação antioxidante, despigmentante, bactericida e anti-inflamatória. Tem ainda efeito tensor e clareador. Pode ser realizado em qualquer fototipo de pele, em mulheres e homens.”

São usados dois tipos de luz, de acordo com a necessidade do paciente, a luz vermelha e a luz azul. A luz vermelha tem efeito anti-inflamatório e anestésico. A luz azul tem efeito bactericida, tensor (combate a flacidez da pele) e iluminador. Apesar de envolver o laser (o que põe medo em muita gente), o tratamento é rápido, indolor e não nocivo para a saúde. Uma sessão costuma a durar cerca de 1 hora e dá até para dormir na maca, de tão tranquilo que é!

Os Resultados

Foram umas 9 sessões, ao todo. Infelizmente, ao longo do tratamento, eu e a Fran não tínhamos nenhuma câmera para tirar fotos, só nossos celulares mesmo. No entanto, a baixa resolução não captava a diferença na pele em relação à textura, luminosidade, linhas de expressão, etc. De qualquer forma, eu fiquei bem atenta aos efeitos e anotei tudo para não esquecer de nada!

Quando comecei o tratamento eu estava com algumas manchinhas de espinha na testa, espinhas pontuais no rosto (nada tão problemático) e linhas de expressão mais evidentes, uma na testa e duas ao redor da boca (o famoso “bigode chinês”). Claro que, como tenho 21 anos, essas linhas não eram rugas profundas e extremamente visíveis. Mas dava para perceber e me incomodavam um pouco.

Nas primeiras sessões pude perceber melhoras nas espinhas, que desinflamaram bastante, ficando menos vermelhas. O laser acelerou e muito o processo secativo e, alguns dias depois de cada sessão, elas iam desaparecendo aos poucos. A maciez da pele (devido à esfoliação que a Fran fez junto ao laser e também à atividade hidratante que ele tem) foi perceptível. Outra coisa que notei bastante desde a primeira sessão foi o brilho que o tratamento dá à pele. O topo das minhas maçãs do rosto ficaram mais luminosas, o que eu achei demais.

Do meio para o final do tratamento, passei a notar diferenças maiores em relação às linhas de expressão e manchas. As manchinhas de espinha da minha testa clarearam bastante e as linhas de expressão foram atenuadas. Nada milagroso, é claro, mas eu senti uma diferença considerável, ficaram bastante sutis. Atualmente, depois das sessões feitas, as espinhas melhoraram uns 90%. As manchas estão quase imperceptíveis, assim como as linhas de expressão que me incomodavam. A pele está mais uniforme e luminosa.

Não dá para dizer que minha pele está perfeita e que nunca mais farei nenhuma intervenção estética nela. Vale lembrar que procedimentos que deixam a pele absurdamente perfeita geralmente custam caro e não falo do preço que envolve dinheiro: são tratamentos que intervêm agressivamente na pele/corpo e, a longo prazo, trazem consequências negativas para ambos. Dentro do respeito ao meu corpo e à minha pele, entendendo que perfeição é utopia, digo que estou extremamente satisfeita com os resultados e me sentindo ainda mais bonita!

CAM01515

Selfie mocoronga para mostrar um pouco de como minha pele está atualmente, apesar da resolução porca do celular!

Considerações

Assim como não adianta usar um creme para celulite se você continuará se alimentando mal, não praticando atividade física, fumando, etc., não adianta fazer tratamento estético se, fora do consultório, você não cuida minimamente da pele e do corpo. Digo isso porque, no meio do tratamento, eu comecei a me alimentar mal (aka comer pacotes de bolacha recheada com mil gramas de gordura quase todo dia, entre outros crimes) e minha pele ficou uma bostinha, toda oleosa e brotando umas espinhas monstras no intervalo entre as sessões. Levei um puxão de orelha da Fran e, depois que voltei a me alimentar corretamente, meu rosto voltou ao normal.

Portanto, tenha em mente que nenhum tratamento estético faz milagre e o sucesso dos resultados também depende de você. Alimente-se corretamente, cuide de seu rosto (fazendo a limpeza 2x por dia, com produtos adequados para o seu tipo de pele), pratique atividade física, procure manter o equilíbrio emocional (o estresse é terrível para a pele, tanto no sentido de envelhecê-la quanto de agravar espinhas). Se você sofre com acne, não se esqueça de procurar um(a) ginecologista ou urologista para saber se a causa dela não é desequilíbrio hormonal.

 Mais informações

Aqui em São Paulo, a Francine atende na clínica HT Pilates (Avenida São Gualter, 1949, Alto de Pinheiros, São Paulo – SP). Ela faz não só tratamento facial com fotomodulação como também drenagem linfática (fiz e recomendo muito!), massagem, etc. Você pode entrar em contato com ela por e-mail (francineft@gmail.com), nos telefones da clínica (11 2619-9245 e 11 8104-0591) ou por Whatsapp (11 97545-5534). A fotomodulação custa R$ 130 se for sessão única, mas se o paciente quiser fazer fazer o tratamento completo para obter resultados mais expressivos ou um número maior de sessões, ela dá um pequeno desconto. Infelizmente, como os produtos usados são orgânicos/naturais e ela preza por uma estrutura de atendimento mais elaborada para trazer conforto ao paciente, isso tudo encarece o tratamento (embora, no final das contas, valha a pena) e, mesmo querendo, ela não consegue fazer preços tão acessíveis. Mas digo: vale muito a pena!

L’Oréal testa em animais. Boicote!

Publicado em

Há alguns dias estive com a Nicole, que também é blogueira, e fizemos um vídeo falando sobre a marca L’Oréal e também um pouco sobre os testes em animais. Quer ver? Dá uma olhada (dá pra assistir em alta definição!):

Aprenda a fazer coxinha vegana

Publicado em

coxinhas-de-shimeji

Já foi a época de nutella, bacon (argh), café, doritos, mas esse ano a nossa humilde e famosa coxinha virou vedete. E quem pensa que vegano não come, está redondamente enganado: no final deste post, um vídeo ensina a fazer uma versão sem nada de origem animal, com recheio de proteína texturizada de soja (a “carne” de soja). Já experimentei coxinha vegana de proteína de soja, com recheio de “calabresa” com vegarela (um tipo de mussarela veg), shiitake, shimeji, jaca verde e palmito. Amei todas!

A que rende mais e sai mais em conta é a de proteína de soja, sem dúvida. Mas a mais saborosa e ao mesmo tempo ainda com um bom custo x benefício é a de palmito. Basta comprar um vidro de palmito de boa qualidade (o palmito tem que estar bem macio), escorrer a água, lavar um pouco para sair grande parte do sal e colocar no processador por uns 2 minutos. O processador irá “desfiar” o palmito, deixando com uma aparência semelhante à do frango. No entanto, como o palmito é branco, você pode colocar colorau e curry – que além de dar cor, deixarão o recheio mais saboroso. No liquidificador também é possível fazer isso (talvez você precisará usar um pouco da água da conserva para “dar liga” para bater), mas no processador dá mais certo e menos trabalho.

Ok, chega de papo. Vamos ao vídeo, então?

Essa receita rende mais ou menos um prato cheio de coxinhas pequenas. Dá para deitar e rolar!

 

 

 

 

Hidratante Corporal Linha Sapien Woman da Surya

Publicado em

CAM01453

Já faz um tempo que a Surya lançou novos produtos, inclusive eu havia visto na feira Naturaltech, mas só agora tive oportunidade de testar algum deles. Para quem não conhece, a linha Sapien Woman da marca é orgânica, vegana e além do uso de ingredientes naturais que nutrem pele e cabelos sem agredir a saúde e o meio ambiente, um diferencial interessante é o uso de fragrância natural a partir de extratos de coco e manga, com toques de baunilha e framboesa.

De fato, assim que coloquei o hidratante na pele pela primeira vez, surtei!! Achei o aroma incrível, levemente adocicado sem ser enjoativo. O toque de baunilha (minha obsessão) não prevalece tanto, acho que o que predomina é a framboesa. Na minha pele não costuma a durar o dia todo, mas noto que fico perfumada por um bom tempinho (duas ou três horas).

A hidratação é suficiente para mim (minha pele é bem seca no corpo) e a absorção não é demorada, embora o creme tenha textura mais consistente. Também não me senti melecada depois da aplicação, em alguns minutos já nem noto mais o produto, percebo apenas maciez e hidratação. Vale notar que o creme tem bom rendimento, espalha fácil na pele.

Enfim, um dos hidratantes que mais gostei por esses tempos! É possível comprá-lo na Capym Store, uma das novas lojas parceiras aqui do blog. Recebi um kit de lá recentemente e achei a Daniela, dona da loja, uma querida, extremamente atenciosa. Vale a pena conhecer.

A polêmica do projeto de lei que proíbe testes em animais para cosméticos no Brasil (PL 6602/2013)

Publicado em

animals Em junho desse ano, a aprovação no Senado do PL 6602/2013, que pretende abolir os testes em animais para cosméticos no Brasil, deixou ativistas esperançosos. Se aprovado na íntegra, seria um passo importante, embora tímido, em direção ao fim da experimentação animal no país. A decepção veio logo em seguida: ao ser aprovado, modificações no projeto de lei abriram brechas que, na prática, permitiriam os testes em animais para cosméticos em determinadas circunstâncias – não seria uma proibição absoluta (como gostaríamos e achávamos que fosse). O entendimento acerca desse projeto de lei (e de outras leis brasileiras relacionadas à experimentação animal) se faz necessário para que possamos nos mobilizar junto às organizações e ativistas que lutam pela causa, pressionando o Legislativo. Além disso, é importante estarmos informados para boicotar marcas que testam em animais e, pelo SAC, tentam enganar o consumidor, omitindo a prática.

Alteração polêmica no PL 6602/2013

A redação original do PL 6602/2013 (leia aqui na íntegra) é de autoria do deputado federal Ricardo Izar Jr. (sob a consultoria da ONG Cruelty-free international), mas foi alterada sob pressão de órgãos ligados à ciência e tecnologia (que não são exatamente a favor do fim dos testes em animais). A alteração mais polêmica se refere ao parágrafo 8:

§ 7º É vedada a utilização de animais de qualquer espécie em atividades de ensino, pesquisa e testes laboratoriais que visem à produção e ao desenvolvimento de produtos cosméticos e de higiene pessoal e perfumes quando os ingredientes tenham efeitos conhecidos e sabidamente seguros ao uso humano ou quando se tratar de produto cosmético acabado nos termos da regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

§ 8º No caso de ingredientes com efeitos desconhecidos, será aplicada a vedação de utilização de animais de que trata o § 7º, no período de até 5 (cinco) anos, contado do reconhecimento de técnica alternativa capaz de comprovar a segurança para o uso humano.

De acordo com o biólogo Sergio Greif, o parágrafo abre brecha para que se siga utilizando animais para testes de novos ingredientes, bem como novas formulações, num período de cinco anos. No entanto, esses cinco anos passam a contar não a partir da data em que determinada técnica substitutiva tenha sido desenvolvida, mas sim cinco anos após ela ter sido reconhecida pelo Centro Brasileiro de Validação de Métodos Alternativos (BraCVAM). Isso fere, inclusive, o que está disposto na Lei de Crimes Ambientais, que diz que é proibido o uso de experimentação animal quando existem recursos alternativos.

Para piorar, a redação da lei não deixa claro por quanto tempo os testes em animais podem ser feitos a partir do momento em que esses testes começam a ser conduzidos porque não existem métodos alternativos, naquele caso. Por exemplo: se 10 anos se passarem até que um método alternativo seja criado, mais 10 anos se passem até que ele seja aprovado como método alternativo e mais 5 se passem até que a empresa resolva implementar o método alternativo, ela conduzirá os testes em animais por 25 anos, com respaldo da lei. É absurdo!

E, claro, o emenda no PL 6602 também não considera que a indústria da beleza é extremamente competitiva e sempre estarão surgindo novos ingredientes com efeitos desconhecidos.

Ativistas pelos direitos dos animais contra a alteração no PL 6602/2013

Entre dezenas de outras, a ONG Veddas tem feito forte pressão para que o PL seja aprovado sem alterações. Inclusive, foi criado um site para tratar exclusivamente sobre o assunto, o “Altera PL 6602″. Nele, é possível assinar uma petição e também se informar melhor sobre o projeto de lei, contando com depoimento de ativistas e profissionais do meio científico (que, claramente, são contra os testes).

A blogueira Nicole Gonçalves entrevistou o ativista e presidente do Veddas, George Guimarães, sobre o PL 6602. Veja abaixo:

A situação atual do PL 6602/2013

No dia 4/10 entrei em contato com Fabio Chaves (ativista e dono do portal Vista-se) para saber a quantas anda o PL no Senado e, segundo ele, o deputado Ricardo Izar disse que o congresso está em recesso por conta das eleições. Logo, o projeto está parado. No entanto, ele entrará em contato novamente com Izar após as eleições para saber como ficarão as coisas. Até lá, cabe a nós pressionar o Legislativo e dar apoio às ONGs para que o PL seja aprovado na íntegra, sem brechas que colaborem para perpetuar a experimentação animal no país.

 Fontes e referências: Vista-se; Frank Alarcón; Veddas

Condicionador de Lavanda e Palmarosa para cabelos secos e danificados da Prymeva

Publicado em
Foto por Flávia Rodrigues

Composição: Water (Aqua), Xanthan gum, Cetyl alcohol, Glyceryl stearate, Stearic acid, (Cetearyl olivate and Sorbitan olivate), Argan Spinosa Kernel Oil, Pentaclethra macroloba seed oil, Glycerin, Astrocaryum murumuru st grade, Tocopheryl acetate, Sodium Hydroxide, (Dehydroacetic acid and Benzoic acid and Benzyl alcohol), Lavandula hybrida oil, Cymbopogon citratus (lemongrass) oil, Cymbopogon martini oil, Glyceryl caprylate, Triticum vulgare (wheat) germ extract, Chamomilla recutita extract, Lavandula angustifólia (Lavender) extract, Panthenol, Latic acid and *Pogostemon cablin oil (Hydrolate or floral Waters). * Produtos orgânicos certificados

Fazia tempo que eu estava espiando os produtos da Prymeva, mas nunca havia tido a oportunidade de testar (aí a Flavia da Cheiro de Mato me enviou!). A marca é relativamente nova nesse ramo de cosméticos orgânicos e naturais, mas têm conquistado seu espaço pouco a pouco. Fico feliz demais em ver empresas investindo nesse nicho – mostra que a preocupação com o meio ambiente e com a saúde do consumidor é cada vez maior, o que é ótimo.

Segundo a descrição da marca, esse condicionador tem um “perfume delicioso e inúmeros ativos, dentre eles o óleo de argan, que juntos conferem aos fios hidratação, dando brilho e fixando seu aroma.” Além disso, promete conferir “um tratamento de maneira natural ao couro cabeludo e da fibra capilar, mantendo os cabelos limpos, tratados e perfumados por mais tempo, devido ao alto poder de fixação dos seus óleos essenciais. ” O produto possui em sua fórmula óleo essencial de Lavanda (Lavandin), Óleo essencial de Palmarosa, Hidrolato de Patchouli, Óleo de Argan, Manteiga de Murumuru, Extrato Vegetal de Camomila, Germe de Trigo e Lavanda. Vale mencionar que o produto é vegan (assim como todos que mostro aqui no blog), 100% natural e possui ingredientes orgânicos certificados pelo IBD.

O produto tem um aroma suave, levemente floral, que perfuma os cabelos de forma bem sutil (nos meus fios dura cerca de um dia). O condicionador tem textura bem cremosa e razoavelmente espessa, mas espalha com facilidade e tem um bom rendimento. O único problema é que a embalagem dificulta a saída do produto. Creio que uma versão em bisnaga resolveria bem.

Ele não é o tipo de condicionador que “derrete” os fios logo depois da aplicação, ainda no banho. Mas em termos de resultados, achei que proporcionou uma hidratação suficiente para os meus cabelos, que são mistos e bem ressecados nas pontas e também os senti mais macios e sem dificuldade para desembaraçar. Ainda mais considerando que eu estava utilizando-o em conjunto com um shampoo bem potente, que tendia a deixar os fios mais secos.

Eu não senti que ele pesou meu cabelo de maneira alguma (e meus fios são finos, pesam fácil), mas não saberia dizer se com um shampoo menos adstringente ele poderia pesar. Acho que dosando a quantidade de produto aplicado e se atentando a esse equilíbrio entre condicionador e shampoo, sem problema algum.

De um modo geral, gostei demais do produto e apesar de não conhecer a marca, foi uma experiência boa – eu repensaria apenas a embalagem (trocando para bisnaga).

Você pode comprar encontrar esse condicionador aqui.