Pílula Anticoncepcional: tomar ou não tomar?

pilula-anticoncepcional-1

Creio que dúvidas a respeito de anticoncepcionais estão entre as que mais recebo aqui no blog, disparado. Algumas relacionadas ao fato de que todas as marcas disponíveis no mercado testam em animais, algumas ao fato de que inexistem (me corrijam se eu estiver errada!) pílulas que tenham fórmula sem ingredientes de origem animal, mas principalmente relacionadas aos diversos efeitos colaterais que esse remédio traz.

Antes de mais nada, enquanto feminista, acho imprescindível salientar a importância da pílula anticoncepcional no que diz respeito ao planejamento familiar, à emancipação feminina e à libertação sexual da mulher. Desde o seu surgimento, na década de 1960, esse método contraceptivo contribuiu demais para que pudéssemos escolher ou não ter filhos, para que o tabu do sexo livre, fora do contexto da reprodução e do casamento, pudesse ser de alguma forma desconstruído. É óbvio que o machismo ainda existe e a mulher não é exatamente livre. Mas é inegável que tivemos avanços nesse sentido e a pílula foi parte disso.

Enquanto defensora de um estilo de vida mais natural, é meu papel alertar a respeito dos perigos relacionados a esse remédio. O uso da pílula anticoncepcional está associado ao aumento do risco de câncer de mama, trombose, diminuição da libido, doenças cardiovasculares, distúrbios psicológicos, entre outros efeitos que podem ser conferidos na própria bula. Claro que existem fatores que fazem os riscos serem maiores ou menores, mas são efeitos colaterais que devem ser mencionados – existe até uma página chamada “Vítimas de anticoncepcionais” que relata casos de mulheres que foram afetadas pela pílula. E, claro, enquanto vegana e ativista, não preciso nem dizer que não sou à favor da exploração animal nos testes laboratoriais e na composição desses remédios.

Retornando ao campo do feminismo, é interessante falar do machismo que permeia esse assunto dos métodos contraceptivos. Na maioria das vezes, todo o peso de evitar a gravidez recai sobre a mulher. É ela quem tem que se virar quando o homem não quer ou se adapta aos preservativos e em alguns casos se vê obrigada a tomar um remédio que pode arriscar a sua saúde, mesmo não querendo. Optar por tomar anticoncepcional jamais deveria ser uma escolha feita à luz do receio e do medo, mas sim fruto de uma escolha consciente e livre.

No entanto, não estou aqui para dar enfoque ao que eu penso enquanto ativista e adepta de um estilo de vida mais natural. Estou aqui para falar da minha experiência pessoal. Eu, Nyle, depois de resistir por anos, há alguns meses cedi e desde então tenho feito uso de anticoncepcionais de baixa dosagem. Não foi uma decisão fácil considerando tudo em que acredito, mas sabendo que é um dilema que afeta muitas leitoras e amigas, achei interessante expor o que me levou a tomar essa decisão.

Por duas vezes tive acidentes usando preservativos e, porque eu não tomava nada, tive que recorrer ao uso da bigorna de hormônios chamada pílula do dia seguinte. Na fase da vida em que me encontro, sendo tão nova e fazendo faculdade, ter uma criança não era (e não é), nem em sonho, viável. Como moro em um país que cerceia a minha autonomia sobre o meu próprio corpo, eu também não poderia interromper a gravidez, caso ela viesse acontecer.

Quantas vezes mais durante a vida eu teria que recorrer a um remédio tão devastador para o organismo, que me trouxe zilhões de efeitos colaterais, bagunçando meu organismo por meses? Estando em um relacionamento estável e querendo não usar preservativos, o que eu faria? Me arriscaria, passando sufoco todo mês? Depois de pensar muito nessas questões, considerar a minha vida sexual, outros métodos contraceptivos, o meu projeto de vida e enfim, diversas coisas que nem caberiam nesse post, decidi começar a usar.

Estou ciente dos riscos que corro e prossigo procurando outras alternativas e métodos contraceptivos que sejam menos arriscados, que atendam às minhas necessidades pessoais e não envolvam exploração animal. Também tenho cuidado da minha saúde para eu possa estar exposta, claro.Não julgo ser a melhor escolha, mas é a escolha que me atende nesse momento. O único conselho que dou para aquelas que já usam pílula ou querem usar é que conversem com o(a) seu/sua ginecologista para usar anticoncepcional de baixa dosagem de hormônios, que são mais caros mas menos nocivos.

Por fim, sei que o julgamento de algumas pessoas será inevitável, já que esperavam de mim outra postura. Mas, decidi falar sobre isso justamente porque nesse meio (veganismo e/ou estilo de vida mais natural) é um assunto tabu e as discussões sempre giram em torno de questões éticas diversas, questões de saúde diversas, mas raramente em torno de algo que julgo importante acima de tudo: o direito de escolha da mulher e o que ela julga ser melhor para ela.

Anúncios

69 comentários sobre “Pílula Anticoncepcional: tomar ou não tomar?

  1. Não posso deixar de comentar e aplaudir a sua coragem em tratar deste assunto. Um dia, quem sabe, ainda teremos o contraceptivo masculino, quem sabe não testado em animais. Até lá, temos que fazer escolhas com o que temos, não é mesmo?

    1. Pois é! Já vi notícias falando sobre anticoncepcional masculino, tomara que se concretize, né. Ajudaria muito.

  2. Decidi, aos 36 anos, deixar de tomar a pílula. Nunca reagi bem aos métodos hormonais, mas achava que não me sentiria segura se não tomasse. Estou descobrindo que tudo o que me disseram não é bem assim. Podemos sim evitar a gravidez sem tanta agressão e risco.

  3. Muito legal vc se colocar com franqueza na linha de tiro que pode ser os comentários de um blog, parabéns! Infelizmente, até onde eu sei, todos os remédios no Brasil são testados em animais por força de lei (me corrija se eu estiver errada). Qdo decidi tomar anticoncepcionais, há muitos anos, as opções mais seguras eram essa ou o DIU. Acontece que o DIU pode não evitar a gravidez, mas provocar abortos (não permitindo que que o óvulo se fixe ao útero). Essa opção estava longe longe longe de ser confortável pra mim… Daí fui de anticoncepcional. E então, como até hoje nada melhor me apareceu, não estou no grupo que sofre com efeitos colateriais e como continuo não querendo ter filhos, cá estou, tomando anticoncepcional também, fazendo sempre o controle com o meu médico pra saber o quanto isso afeta a minha saúde e se dá pra continuar tomando.

    1. Infelizmente, como não podemos escapar dos efeitos colaterais, o melhor é sempre ficar de olho na saúde pra que eles não nos afetem de maneira mais séria :/

  4. Uso anticoncepcional desde os 16 anos porque eu tinha um baita cisto no útero e se não fosse a pílula eu teria que ter operado. Desde então faço uso contínuo e tbm tem seu lado bom: pra quem tem cólica ou sofre com tpm, o anticoncepcional é um “amigão”, ajuda a regular os hormônios e só pelo fato de eu não passar estresse todo mês pensando “ai meu Deus To grávida” já vale mil pontos!
    Eu uso, até tenho vontade de parar de tomar pra ver como é ficar sem, se eu continuo não tendo espinha, ou se eu parar vai me dar espinhas, vou ficar inchada na tpm, vou ter tpm, e etc.
    Sou vegetariana a caminho do veganismo e contra a exploração animal. Mas como engravidar não está, definitivamente, nos meia planos próximos, opto pelo que tem mais importância.

    1. Sim, é verdade. Notei que minhas cólicas sumiram, as espinhas também. Pra quem tem problemas no ovário ele realmente ajuda sim. É uma pena que a longo prazo ele possa ter efeitos tão ruins.

  5. Oi Nyle, eu nunca gostei de ter que usar anticoncepcional, mas tive um cisto enorme no ovário direito, a dor era tão grande que fui para o hospital, e ela irradiava do baixo ventre abdominal para a lombar direita. Sofri demais, a médica disse q a única maneira de evitar que novos cistos apareçam era tomar o anti para regular meus hormônios, uma vez q estavam desequilibrados e favoreciam a formação de cistos. Qto ao cisto que tenho, ele dói de vez em qdo, possui 7cm e ainda não diminuiu desde a dor intensa que tive.
    Não queria tomar o anti, mas me rendi, pois não quero passar novamente por uma dor daquela. Um efeito colateral vantajoso foi que minha pele melhorou 90% da acne, e um ruim é que, em 6 meses de uso, estou com 2kg a mais, de puro inchaço. pois me alimento bem, faço treino funcional há um bom tempo, então eu teria que, no mínimo, manter o peso. Mas estou com a barriga maior (ultimamente estou notando q to meio sem cintura), as pernas com mais celulite e tal. A cada comprimido que tomo mais me arrependo.
    Qto ao aspecto reprodutor, óbvio q me senti bem mais segura. Mesmo assim, namorei um bom tempo sem o anti, tinha mês que ficava apreensiva, mas na maioria das vezes não preocupava. Conhecia como funcionava o meu corpo, embora a menstruação fosse desregulada por causa de cistos, os demais sintomas do período fértil são muito evidentes em mim, então é possível prevenir só por perceber esses sintomas. Mas com 6 meses de uso, acabei relaxando qto à isso, pois todos esses sintomas foram embora, claro, e eu fiquei mais despreocupada. É tão cômodo, q penso em continuar assim por mais alguns meses, mesmo com tanto aspecto negativo.
    Realmente, é uma decisão difícil, mas é a mais cômoda mesmo.
    Qto a testar em animais, eu nunca pesquisei sobre a pílula q tomo, afinal foi recomendada pela médica, e trocar assim talvez não seja bom.
    Enfim, sonho com um dia em que eu possa viver livre dessa pílula. E pretendo que seja em breve.

    1. Todas as pílulas são testadas em animais, infelizmente. Pra quem tem cisto o anticoncepcional traz uma melhora positiva. Pena são todos esses outros efeitos colaterais. É muito complicado. Eu também notei melhora na acne, mas muito inchaço. Ganhei quilos e não consigo perdê-los de jeito nenhum. :/ fazer o que, né?

  6. Esse assunto é difícil de tratar realmente, tanto que discordo de você em algumas coisas do que falou. Primeiro caso é que existem opções boas como o diu de cobre, que não expõe o corpo da mulher a tantos riscos e ainda que sua eficácia seja um pouco mais baixa que o anticoncepcional, ainda é bem alta, ainda mais se associada à camisinha nos dias férteis. Além dele, o anel vaginal é eficiente, barato ou de graça e ainda mais baixinho em dosagem hormonal. Ainda discordo do fato de que o nosso país estaria impedindo as mulheres de ter autonomia sobre o próprio corpo, pois obviamente, independente do quão rápido seja descoberta a gestação, se trata de um novo ser que não o seu que estaria em jogo caso a mulher opte por um aborto. E a comparação do esperma com o embrião também não é das mais lógicas ou inteligentes. Comparar o uso da pilula do dia seguinte, a qual só é eficaz caso o esperma ainda não tenha fecundado o óvulo, com um aborto também é bem infeliz da parte de alguns. Enfim, assunto mais polemico ainda. Mas de fato o anticoncepcional foi uma grande vitória para as mulheres, e concordo na questão de achar muito errado que essa responsabilidade recaia somente sobre a mulher.

    1. Isabela, eu sei que existem outros métodos como diu e anel vaginal. Quando eu disse, na postagem, eu considerei todos eles. É uma questão pessoal minha, considerando a minha idade, minha vida sexual e diversos aspectos. Sob a ótica do feminismo e minha ótica (pois sou feminista), o nosso país cerceia a autonomia feminina na medida em que o aborto é descriminalizado. A mulher não tem o direito de fazer o que quer sobre o próprio corpo (interromper a gestação, no caso). Claro, esse é o meu ponto de vista, você não precisa concordar, apenas estou expondo meu ponto de vista. Beijo!

  7. Olá Nyle,

    Primeiramente gostaria de agradecê-la e parabenizá-la pelo conteúdo do seu blog! Encontrei esse blog maravilhoso há uns dias e estou encantada, mal posso parar de ler todos os artigos, todos eles têm sido de grande valia para mim.
    Tenho 19 anos e sou vegetariana desde os 16. Me tornei vegetariana após visualizar um vídeo no youtube sobre o transporte e abate de animais.

    Seu blog me surpreendeu e me instruiu muito! Confesso que nunca havia ouvido falar de maquiagem orgânica! Comprei alguns produtos da ‘Alime Pure’ graças à uma de suas indicações e estou esperando ansiosamente por eles! 🙂

    Sobre o texto acima, achei muito honesta e humilde a sua postura de expor algo tão pessoal, mas lamentei muito esse trecho ”Como moro em um país que cerceia a minha autonomia sobre o meu próprio corpo, eu também não poderia interromper a gravidez, caso ela viesse acontecer.” Penso que o Brasil, por ser um país onde grande parte da população é muito humilde e não têm acesso à informação, a legalização do aborto seria uma catástrofe. Muitas pessoas, tomadas pela liberdade de escolha sobre o ”próprio corpo”, se descuidariam do uso de preservativos e muitas DSTs seriam disseminadas por aí.
    Se o uso de pílula do dia seguinte afeta o organismo, o que poderíamos dizer do aborto? Sem contar o abalo psicológico causado na mulher.
    Não se trata de autonomia sobre o próprio corpo, mas sobre o impedimento de uma vida que está gerando gerada dentro do corpo da mulher, penso que a criança não é um prolongamento do corpo de sua mãe, uma vez que esse ser terá personalidade e vontade próprias. Amar e respeitar os animais é algo nobre, mas ter respeito pela vida humana também é. Responsabilizar-se pelas nossas atitudes e impulsos sexuais é o que eu chamaria de autonomia sobre o próprio corpo.

    O pensamento que me rege não está atrelado a nenhuma crença religiosa, e me desculpo pela dimensão do meu texto e por expor minha opinião em seu blog. Penso que, como futura jornalista e autora de um blog tão importante como esse, você tem e terá um poder grande de influência sobre outras garotas, e é justamente por isso que te chamei a reflexão.

    Bom, pra terminar gostaria de saber se você já ouviu falar sobre o preservativo orgânico. A camisinha orgânica é feita de látex orgânica, não é tóxica e também não é testada em animais. Infelizmente não encontro esse produto para vender em nenhum site. 😦
    Te deixo o link caso tenha interesse em ler sobre https://catracalivre.com.br/geral/sustentavel/indicacao/a-primeira-camisinha-ecologicamente-correta-do-mundo/ , apesar que acredito que já deve ter pesquisado sobre. 🙂

    Bom… é isso, Nyle! Mais uma vez, obrigada pelo conteúdo e pelas informações maravilhosas disponibilizadas nesse espaço! 🙂

    1. Natali. Apesar de criminalizado, o aborto é uma praticado no país e, entre as mulheres mais carentes, ele é recorrente. No entanto, é feito de maneira agressiva, insalubre, prejudicando a saúde da mulher. A descriminalização do aborto poderia dar oportunidade a essas mulheres de, já que farão o aborto, fazê-lo de maneira segura. É aproximar o Estado e a mulher e, com isso, conscientizá-la sobre o planejamento familiar, sobre o sexo seguro. Como você mesma disse, o aborto afeta o psicológico da mulher, nunca é uma escolha fácil. Mesmo que legalizado, continuaria sendo difícil praticá-lo. O fato de ser proibido não impede e nunca impediu que ele acontecesse – logo, dizer que porque legalizado eles aumentariam pode não ser um argumento consistente. Até porque, se você procurar se informar melhor sobre o tema, verá que nos países onde o aborto foi legalizado/descriminalizado, a prática diminuiu, bem como a morte de mulheres decorrente de abortos clandestinos. Não precisa ir muito longe: o Uruguai, nosso vizinho, é um exemplo.

      Forçar a mulher a ter um filho sendo que ela não deseja seria o “se responsabilizar pelas nossas atitudes”. Isso não é um respeito pela vida, ao meu ver. Nem pela vida da mãe e nem pela vida da criança. E colocar pra adoçar, no Brasil, não é tão simples. Envolve discriminação, burocracia, etc.

      Enfim, eu sou a favor da legalização do aborto, mas fico feliz que você se manifeste oferecendo contrapontos e enriquecendo o debate. Muito obrigada!

      Beijos

  8. Compreendo sua postura Nyle… Infelizmente hoje em dia é difícil em diversas áreas estarmos 100% livres de químicas, hormônios e entre outras porcarias sintéticas. Por determinação de meu dermatologista, tomei recentemente o anticoncepcional Yasmin de baixa dosagem, para combater os efeitos de hormônio masculino em meu corpo, que me geraram acnes muito graves. Já fiz outros tratamentos contra a acne, mas nunca com anticoncepcional, no começo fiquei insegura também… colocando mais hormônios no meu corpo, além dos que já tenho. Mas num primeiro momento não foi tudo tão ruim assim, pelo menos para mim.
    Quero dizer que nem sempre podemos fazer escolhas 100% livres de ônus e às vezes somos obrigadas a pesar na balança o que seria menos ruim, qual a pior consequência que não quero, não posso, não devo arcar. Toda a moeda tem seus dois lados, e nem sempre a opinião contrária alheia, que não leva em consideração nossas necessidades pessoais e suas consequências podem ser benéficas ou entrar na balança. Infelizmente para as mulheres de modo geral sempre sobra a parte mais trabalhosa em uma porção de coisas, mas quem sabe as coisas não evoluam de forma a que estejamos menos expostas a problemas e tenhamos mais soluções realmente boas do que escolhas difíceis e danosas.

    1. É verdade, Paula. Muitas vezes, fruto das circunstâncias, não dá pra escapar das consequências. Mas eu tenho certeza que num futuro, pode não ser tão próximo, consigam um anticoncepcional ou qualquer método contraceptivo que o valha que possa proteger sem trazer tantos danos

    2. Já experimentou deixar de comer o gluten e boa alimentação? Minha pele melhorou muito depois que deixei, até na época da TPM.

  9. Adorei o post! Quando comecei a pensar sobre uma vida com menos crueldade ao animais entrei nessa questão do uso do anticoncepcional. Cheguei a conclusão que eu não tenho sensibilidade suficiente para por em risco uma gravidez indesejada em nome de animais que sofrem para esse produto chegar até mim. Pelo meu namorado a gente volta a usar preservativo sem problemas. Tenho a sorte de ter alguém compreensivo, que me apoia e respeita o meu corpo. A gente sempre conversou e fomos transparente sobre isso, mas como eu me conheço, conheço ele e sei dos riscos decidi continuar. Eu não sabia que existia anticoncepcionais com baixo hormônio. Qual você usa? Eu uso Depomes, antes eu usava Messigina e doía muito. Quero conversar sobre isso com a minha ginecologista.

    1. Então, Jackeline, eu estou usando o Yaz. Foi o que a minha ginecologista indicou. Converse com ela e veja se seria bacana pra você. bjss

  10. Já tinha entrado no seu blog algumas vezes pra tirar dúvidas sobre produtos cruelty free, mas nunca tinha comentado. Acabei de ver seu vídeo sobre a Loreal no canal da Nicole e gostei demaaaaaaais de você, com certeza acompanharei mais o blog daqui pra frente. Também tenho um blog e um canal no Youtube de beleza cruelty free, mas não é específico sobre isso, comecei nesse mundo como blog/canal literário e falando de livros, filmes e arte em geral. só depois que surgiu em mim a NECESSIDADE (e é uma necessidade mesmo, pq rola muita desinformação sendo disseminada por aí) de falar mais com as pessoas sobre a importância de ser Cruelty Free e to mil vezes mais feliz agora =) adoro sabe que algum vídeo/post meu foi importante pra conscientizar alguém e fazer a pessoa pelo menos refletir sobre o assunto sabe?
    Beijos!

    http://www.vanessachanice.com

    1. Muito legal, Vanessa. Quanto mais gente falar sobre esse assunto da beleza sem crueldade, melhor! Boa sorte no seu blog/canal, beijos

  11. Sobre a pílula: recentemente a amiga da minha mãe foi parar no hospital por causa de um coágulo no cérebro causado devido ao uso da pílula. os médicos falaram pra ela que foi um milagre ela nao ter morrido e que vai ter que passar o resto da vida tomando remédio por causa do coágulo… Isso me assustou muito, mas não tive tempo de parar pra pensar qual será o método contraceptivo que é melhor pra mim. Pq voce optou pelo uso desses remédios de baixa dosagem ao invés de um Diu ou uma capsula subcutanea? Não entendo dessas coisas, não sei se esses métodos são muito mais agressivos, mas era a opção que eu estava tendendo…

    1. Então, no caso do diu eu sou muito nova e ainda não tive filhos. Na minha idade, não é o método mais adequado. Além disso, o preço e a manutenção nao sao baratos. Fora o risco de rejeição. Futuramente pode ser uma opçao interessante, mas por agora nao é tão viável pra mim. Já essas capsulas, se elas também contém hormônios, acaba dando na mesma, não? Bom, não sei, mas eu continuo pesquisando outros métodos

  12. Nyle, antes de mais nada gostaria de te agradecer. Foi por meio de seu atencioso trabalho que consegui, aos poucos, construir um consumo mais próximo daquilo que entendendo como “diminuir o peso que minha existência impõe ao mundo”. Por isso, mais uma vez, obrigada.
    Não sou vegana e tento, aos trancos e barrancos, me tornar vegetariana. E creio que parte dessa dificuldade advém das complexidades que as situações da vida por vezes nos colocam. A construção de um sentido que alimenta nossas escolhas e ações se dá de maneiras diferentes pra cada um e na maioria das vezes não seguem uma trajetória em linha reta.
    Sendo assim, é de extrema importância que relatos como o seu que, defrontando-se com uma situação contraditória entre “teoria e prática”, optam pela honestidade de expor os dilemas sem moralismos e outros mecanismos nebulosos para preservar uma identidade engessada.
    Gostei de seu depoimento. Ele revela, pra além da honestidade, a postura de alguém ciente de sua liberdade, de suas escolhas e das consequências geradas por elas. Não tenho dúvidas que você lidará com tais consequências com a mesma postura aberta ao diálogo.
    Continue, mesmo que sem saber, abrindo caminhos e mostrando possibilidades de agir diferente daquilo que parece ser “o único jeito de agir”.

    Grande abraço. 🙂

    1. Samyra, fico muito feliz em saber que meu blog fez com que você mudasse de postura. Você já está um passo à frente ao reconhecer os impactos das suas atitudes e, com o tempo, torço muito pra que você consiga chegar onde quer. Sabe que se precisar de ajuda, estaremos aqui 🙂 beijos

  13. Mas a pílula anticoncepcional com pouco hormônio dá o mesmo efeito da pílula comum?
    Vc esqueceu de falar como purificou seu organismo dessa praga (pílula de emergência) rsrsrs

    Beijo, gosto muito do seu blog!

      1. E o preservativo, Nyle, não é muito confiável?
        Eu realmente não posso tomar pílula :/ por causa das varizes…

        Quero pegar algumas camisinha no posto de saúde. Qualquer marca oferece a mesma proteção?

      2. Em termos de eficácia de método contraceptivo e proteção à saúde, o preservativo é a melhor opção. Além de evitar a gravidez também evita doenças, etc. No posto de saúde tem camisinhas sim, mas elas são bem ruins e desconfortáveis. É meio que uma última opção… É preferível comprar dessas de farmácia, de marcas próprias

  14. Olha só, encontrei por acaso o blog e amei. Sobre o anticoncepcional, uso não querendo usar mas no momento é a opção mais viável, e não tinha encontrado em blog algum falando sobre. Parabéns!

  15. DIU de cobre sem hormônio, melhor metodo. É colocar e esquecer. Tem algum problema em relação ao DIU e a proteção animal?

    1. O problema do diu de cobre é que, em caso de falha, além da gravidez indesejada o feto pode vir a ter deformidades graves, inclusive anencefalia. Aconteceu com a esposa de um médico que conheço.

  16. Oi, tudo bem? Gostei do seu blog. Quanto ao uso do antconcep, faz 5 anos que eu não uso, sou casada e tenho uma filha. O problema que todos os antconcep smp me fizeram MUITO mal. Me deixavam 15 dias de cama com MUITA ENXAQUECA, inchaço, boca seca, inflamações na vagina próximo ao ciclo menstrual e perturbada por não poder me concentrar em nada. E querem saber, depois que descobri a desgraça disso na minha vida, larguei de vez e hj em dia é uma libertação n ter q tomar a pílula da minha morte.

    1. Nossa, Sylvia, quanta coisa! Lamento por você, mas que bom que você largou a pílula e hoje não tem mais nada…

  17. O método hormonal terá contraindicacoes e possíveis efeitos colaterais como qualquer medicacao o teria. No entanto, traz qualidade de vida a muitas mulheres, isso é inegável. Sem o anticoncepcional oral meus ciclos são irregulares, tenho uma tpm dos infernos e fico derrubada pelas cólicas. Fora que a mulher pode escolher com bastante eficiência se quer engravidar ou não. Muito se fala sobre o perigo da formação de trombos. A gravidez é um estado que aumenta muito mais as chances de trombose, estatisticamente, do que o uso da pílula. Enfim, tudo é uma questão de risco x benefício.

  18. Oi Nyle, tudo bem?

    Vc saberia me informar se há possibilidade do corpo desenvolver alguma deficiência ou algo do tipo depois de algum tempo de usar pílula? Digo, consequências temporárias, excluindo os efeitos adversos nas horas que o medicamento está em ação no organismo…

    Não sei se é uma consequência da pílula, mas a minha menstruação tá muito descontrolada! E tenho tido uma terrível prisão de ventre, eu acho que se não tomasse laxante, eu ficaria até 15 dias sem defecar =P
    Cada mês é um problema diferente… estranho

    1. Juliane, pode ser do anticoncepcional sim. Você já falou com seu/sua gineco? Acho que vale a pena contar sobre esses efeitos e até mudar de anticoncep.

  19. Tenho 31 anos e estou numa fase em que penso seriamente em parar com os anticoncepcionais. Já estou na sétima marca e não consegui me adaptar a NENHUMA delas, inclusive às pílulas de baixa dosagem. Já tive diversos efeitos colaterais, sendo que não consigo mais conviver bem com isso. Cheguei a um ponto em que não quero mais diminuir minha saúde e qualidade de vida em troca da segurança de não engravidar. É desolador. Penso exatamente como vc, é muito duro para nós mulheres que praticamente toda a responsabilidade da contracepção seja um ônus apenas nosso. Outro lado perverso dessa história é a insensibilidade de alguns médicos. Minha ginecologista, por exemplo, após minha queixa de diminuição drástica de libido, me sugeriu o uso de testosterona. Não se interessou em chegar à origem do problema. Acha que apenas medicar é tratar. Estou pensando em usar DIU…Parabéns pelo post, sensacional!

    1. Bruna, eu sinto muito por voce, mas acho que o DIU pode ser uma solução sim. Vale conversar com um(a) gineco de confiança e avaliar o seu caso. beijao

    1. Jamais, Fátima. Eu sou vegana e tudo que eu posso fazer pra evitar a exploração animal, eu evito. Apesar de usar remédios como a pílula não alimento de nada de origem animal, não uso tecido animal, não vou a zoos e etc..

      1. Eu tive trombose provocada pelo Yaz, inclusive a anvisa já alertou para os riscos aumentados pela drospirenona: “Considerando estudos recentes publicados no ‘British Medical Journal’ e no sítio eletrônico do FDA (agência reguladora de remédios nos EUA), que sugerem um risco aumentado de formação de coágulos sanguíneos em mulheres que tomam anticoncepcional contendo o hormônio drospirenona, a Anvisa informa aos profissionais de saúde e pacientes que ainda não concluiu parecer definitivo sobre os mesmos, mas permanece acompanhando o assunto.

  20. Oi Nyle, então, estou passando pelo mesmo que você, mas ainda não consegui me decidir e como minha médica de confiança fica na cidade natal fica tudo pior e mais lento ainda ): Mas então. Você pode usar DIU sim! Eu não vou procurar aqui, MAS se você pesquisar em inglês vão aparecer vários estudos que apontaram que o índice de rejeição/outros problemas são iguais em mulheres nuliparas ou não. O quê de fato acontece é que quase sempre o fluxo aumenta, e as cólicas também. Isso pode ser um problema para algumas (e uma inviabilidade para outras). Se você tem plano de saúde. Eles são obrigados a cobrir tanto de cobre quanto o mirena, se não, algumas universidades (ufsc, unicamp que eu sei) oferecem esse serviço no HU, e o sus também oferece o diu de cobre. Caro mesmo é o mirena…esse tem hormônios e alguns efeitos colaterais (todos tem 😦 ) mas pode ser uma opção melhor que cobre e menos pior que pilula. Enfim… Além disso…. existe diafragma!!! E tem um “espermicida” vegan chamado contragel (se comprar o kit com 3 no site, não fica tão caro, o mesmo que custaria um se ainda fosse vendido no brasil os espermicidas químicos). Então se você usar diafragma+contragel+camisinha já aumenta bastante a proteção, tem os métodos sintotermais, muco, saliva (analisar a saliva num microscopio hahaha), enfim… Espero que você encontre algo que te agrade! Mas procura saber mais do diafragma+contragel (: Boa sorte pra gente!

      1. G, preciso urgentemente do site que vende o espermicida Contragel com tres unidades como a Gabriella Chaves Citou. Sou usuária do diafragma( ja tentei diu, pilulas não me adaptei com nenhum deles) mas pararam de fabrica no Brasil. Estou desesperada. Não quero tomar pilula….

  21. Estou nesse dilema, nao existe uma pilula vegan…nao so isso, remedio, hospital..portando o que faco eh optar ate onde posso…no caso ainda confio em camisinha, mas nao aguento mais mestruar, existe sim opcoes vegan para isso com praticar treinos e criar musculos ou virar bailarina… totalmente fora do meu alcance e estilo..espero que o mais breve possivel a industria farmaceutica e universidades, como algumas no eua, mudem…vou fazendo minha parte…te entendo

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s