Uso de produtos naturais/orgânicos na gravidez

pregnant-dove

Eu recebo muitos emails me questionando sobre o uso de produtos naturais e orgânicos na gravidez, e acho um tema muito importante. Ao contrário do que se pensa, grande parte dos cosméticos orgânicos/naturais não são adequados para quem está grávida ou amamentando. Isso ocorre ou por conta da presença de um ou mais óleos essenciais, que são uma mistura de substâncias voláteis obtidas de plantas, ou ativos vegetais que possam ter propriedades prejudiciais para a gravidez (estimulantes de menstruação, por exemplo).

Abaixo discorrei com mais detalhe sobre o assunto. Veja:

Óleos essenciais e a gravidez

Os óleos essenciais são altamente concentrados: uma gota de óleo essencial de camomila, por exemplo, equivale a 20 xícaras de chá dessa erva. E justamente por serem concentrados, os óleos essenciais nunca devem ser usados na pele sem diluição adequada (em óleo vegetal, geralmente) e agem de maneira eficaz no tratamento da pele e de inúmeras doenças, seja de ordem física ou mental. Óleo essencial de lavanda ou gerânio são excelentes para depressão, por exemplo, ao mesmo tempo em que tem ação antisséptica e regeneradora da pele (no caso da lavanda) e anti-idade (no caso do gerânio).

Por serem capazes de ir para a corrente sanguínea, grande parte dos óleos essenciais não devem ser usados por mulheres grávidas ou em amamentação porque podem prejudicar o bebê de alguma forma, seja por uma eventual intoxicação, seja por de repente provocar aborto ou por agravar qualquer efeito indesejado da gravidez (pressão alta, por exemplo). O aborto pode ocorrer com o uso de óleos essenciais que estimulam o ‘descolamento’ de parte do endométrio (tecido que reveste a parede interna do útero), ou seja, que tenham propriedades emenagogas.

Abaixo selecionei alguns óleos essenciais que, de forma geral, são tido como possivelmente perigosos durante a gravidez. As diversas fontes que consultei divergiam um pouco (netmums, fitpregnancy, essential oils, bubbleandbeearomakraut), uns diziam que o óleo essencial “x” não podia, outro dizia que podia, ou o contrário, mas esses óleos abaixo têm desaprovação mais unânime, são citados diversas vezes.

Óleos essenciais a evitar durante a gravidez (uso interno e externo)

  • Sálvia (Sage)
  • Cedro (Cedarwood)
  • Camomila (Chamomile)
  • Junípero (Juniper)
  • Alecrim (Rosemary)
  • Cravo (Clove)
  • Hortelã-pimenta (peppermint)
  • Canela (Cinnamon)
  • Pimenta preta (black pepper)
  • Mostarda (Mustard)
  • Sassafras
  • Orégano
  • Cássia
  • Cânfora (Camphor)
  • Mirra (Myrrh)
  • Cipreste (Cypress)
  • Tomilho (Thyme)
  • Poejo
  • Manjericão (Basil)
  • Manjerona (Marjoram)
  • Jasmim (Jasmine)
  • Erva-doce ou funcho (fennel)

NOTA: esses óleos essenciais não devem ser usados para causar aborto intencionalmente. Da mesma maneira que podem ser prejudiciais para o bebê, podem ser igualmente tóxicos e prejudiciais para a mãe, causando severos danos.

Óleo essencial: cuidados especiais

Antes de mais nada: caso você esteja grávida, não manipule óleos essenciais por conta própria (nem a inalação do frasquinho é permitida) e não use cosméticos com óleos essenciais a menos que eles sejam destinados para gestantes, para bebês até 1 ano (e sejam permitidos para gestantes também) e tenham passado por testes clínicos rigorosos. 

Feitos os devidos esclarecimentos, agora sim: para a nossa felicidade, existem alguns óleos essenciais que podem ser usados durante a gravidez, desde que em concentrações bem baixas (inferior a 0,5% na fórmula, de modo geral), diluídos de forma adequada e administrados de forma responsável. Novamente, reitero que se você não tem nenhum curso de aromaterapia, ou não aprendeu a manipular óleos essenciais com segurança, em diluições corretas, não mexa com óleos essenciais por conta própria, mesmo os que são permitidos durante a gravidez. 

  • Como identificar o óleo essencial na fórmula? Geralmente, no final da fórmula do produto, aparece o nome científico da planta seguido de “essential oil”. Por exemplo: Rosmarinus officinalis essential oil é o óleo essencial de alecrim (ou rosemary, em inglês). Também pode vir o nome científico seguido de “oil” (Rosmarinus officinalis oil, por exemplo) que pode significar que é o óleo essencial ou o óleo vegetal (extrato oleoso daquela substância, não volátil) daquela planta, depende da formulação. Às vezes o óleo essencial não vem explícito: alguns produtos usam “parfum/fragrance” de origem natural, que é uma mistura de óleos essenciais para conferir aquele cheiro – aí basta perguntar para a marca qual óleos essenciais foram usados para criar a fragrância natural do produto.

Óleos essenciais que podem ser usados externamente durante a gravidez e amamentação

Assim como não encontrei um consenso em sites confiáveis em relação a os óleos essenciais que não são permitidos (apenas alguns principais que em todos os lugares foi dito para serem evitados), com os óleos essenciais permitidos também não foi muito diferente. Uns sites liberavam, outros não, inclusive alguns sites (não tão confiáveis) citavam óleos essenciais proibidos como permitidos (fala sério!), mas foi possível chegar a um consenso.

Abaixo estão alguns dos óleos essenciais citados de forma mais abrangente em todas as fontes (bellybelly, fitpregnancy, netmumsaromakraut, phytoterapica). Eles podem ajudar na gravidez seja por propriedades calmantes, ansiolíticas, seja por minimizar efeitos indesejados na gravidez (problemas gástricos, retenção de líquido, etc). Confere:

  • Bergamota (Bergamot)
  • Neroli
  • Sândalo (Sandalwood)
  • Ylang Ylang
  • Tangerina (Tangerine)
  • Lavanda* (Lavender)
  • Gerânio** (Geranium)
  • Grapefruit
  • Rosa* (Rose)
  • Camomila*

* São permitidos apenas em bem baixas concentrações (porque podem estimular o útero) e somente a partir do 6° mês de gestação. Pacientes com gravidez de alto risco e com histórico de abortos devem evitá-los.

** Recomendado o uso em baixa concentração e a partir do 6° mês. Não deve ser usado em gravidez de alto risco

Obs.: se for para aromaterapia (massagens, OE no difusor, etc), recomenda-se o uso dos óleos essenciais permitidos apenas depois do 6° mês. Se eles estiverem presentes em cosméticos para gestantes ou para recém nascidos, em baixas concentrações, não tem problema (a menos que sua gravidez seja de extremo risco – consulte um naturopata ou naturólogo)!

Obs.2: a lista se refere para o uso de óleos essenciais NA PELE. O uso interno, com raríssima exceções (fora da gravidez), é proibido.

Só porque o ingrediente é de origem vegetal não quer dizer que não possa dar problema!

O risco de aborto ou de eventuais problemas para o feto não ocorre só com óleos essenciais, pode ocorrer também com certos ingredientes vegetais (seja a planta em si ou o seu extrato) que tenham propriedades abortivas, como é o caso da erva artemísia, ou propriedades estimulantes, como a noz moscada, a canela.

Portanto, é prudente evitar ativos vegetais que possam, eventualmente, ter propriedades estimulantes, emenagogas (estimula a menstruação, podendo causar aborto), ou que possam causar má formação no feto, etc. Alguns exemplos:

  • Copaíba (pode causar má formação no feto)
  • Hortelã (estimula o útero, má formação do feto)
  • Jaborandi (estimula o útero, portanto pode causar aborto)
  • Alecrim (estimula o útero)
  • Sálvia (estimula o útero)
  • Arnica (estimula o útero)
  • Noz moscada (estimula o útero)
  • Prímula * (efeito hormonal)
  • Gengibre (estimulante)*

** em bem baixas concentrações ele não oferece perigo e até pode ajudar a aliviar náuseas, como é o exemplo do produto Happy Mama Hand to Toe Wash Ginger Grapefruit da marca Earth Mama, Angel Baby

* o uso oral durante a gravidez é polêmico e geralmente não é recomendado. O uso tópico pode ser administrado em baixas dosagens (como eventual ingrediente de algum cosméticos para mães ou bebês) para não causar problema

Óbvio que o uso oral dessas plantas é muito mais perigoso que o uso tópico (na pele), não dá para comparar. Mas dependendo da concentração do extrato das mesmas em um cosméticos natural ou orgânico, por exemplo, mesmo sendo uso tópico pode ser o suficiente para causar algum problema, por isso é imprescindível ter cautela e evitá-los.

O uso de cosméticos convencionais é mais seguro, então?

Claro que não. Da mesma maneira que cosméticos naturais/orgânicos podem causar problema pela presença de alguns tipos de ingredientes, produtos convencionais também podem. Substâncias como ácido acetilsalicílico (BHA ou salicylic acid, em inglês) e peróxido de benzoíla estão presente em alguns cosméticos antiacne e muitos estudos apontam efeitos negativos para mulheres grávidas, pois podem causar má formação fetal, aborto. Derivados de vitamina A (ácido retinoico, retinil palmitato e até mesmo uso tópico de retinol), clorfesina (chlorphenesin) e ureia (urea, em inglês. Pode atravessar a placenta) também podem ser extremamente prejudiciais para mãe e para o feto.

Se você não se preocupa com ingredientes de cosméticos, ao menos na gravidez é prudente ficar atenta. Escolher no mínimo cosméticos para grávidas/recém nascidos e de preferência hipoalergênicos, pois tendem a ter menos substâncias químicas potencialmente maléficas. O ideal mesmo seria, se possível, usar cosméticos verdadeiramente naturais/orgânicos para gestantes com rigorosos testes clínicos, mas se você não quer ou não pode, aposte no que foi dito anteriormente.

Considerações finais

De um modo geral, muitos naturopatas recomendam que ao menos no primeiro trimestre (0 – 3 meses), fase mais delicada da gravidez, é importante controlar o uso de cosméticos naturais/orgânicos contendo óleos essenciais, mesmo os para gestantes, e evitar receitas/tratamentos aromaterápicos (a menos que seja com um profissional muito experiente). Um ou outro produto não tem problema, mesmo, mas ao usar dezenas de cosméticos diariamente, seu corpo pode receber doses não muito adequadas de óleos essenciais, podendo ser prejudiciais em alguns casos. Aao invés de usar um hidratante corporal orgânico para gestantes, por exemplo, use óleo de amêndoas puro. Hidrata do mesmo jeito e não dá problema!

No segundo trimestre (3-6 meses) já é possível começar a aumentar a quantidade de cosméticos para gestantes/recém nascidos com óleos essenciais, ainda sim usando só o que é necessário e sempre que possível optando por fórmulas com menos ingredientes (no máximo 2 tipos de óleos essenciais). Receitas aromaterápicas em baixas concentrações já podem ser administradas, embora de forma restrita e sem excessos.

A partir do terceiro trimestre (6-9 meses) e durante o período de amamentação já é possível usar cosméticos orgânicos/naturais para gestantes com relativa tranquilidade e receitas/tratamentos aromaterápicos podem ser usadas (desde que você saiba fazer isso, ou seja com um profissional experiente).

Sabendo de tudo isso, o mais importante é não surtar e ficar de neurose com tudo, porque isso também pode te fazer mal. Se você está lendo esse texto significa que se preocupa com a sua saúde, com a saúde do seu futuro bebê e vai cuidar bem de si e dele. Agora você já sabe o que deve evitar, o que merece cautela, e vai se sair bem. Relaxa e aproveite o momento!

Para não ficar muita coisa, amanhã publicarei um texto falando detalhadamente sobre algumas marcas orgânicas/naturais que fornecem cosméticos para gestantes e também passarei algumas receitinhas caseiras para usar durante a gravidez.

Essa postagem não substitui a orientação de um obstetra ou naturopata/naturólogo especializados. Tem apenas o intuito de informar e ajudar. Em caso de dúvidas acerca de óleos essenciais/uso de plantas, procure um(a) aromaterapeuta/naturopata/naturólogo experiente e especializado e use essa postagem como apoio.

Anúncios

50 comentários sobre “Uso de produtos naturais/orgânicos na gravidez

  1. Ai, ai Nyle… só você mesmo para fazer um post assim, tão completo e elucidativo!
    Muito obrigada, querida!
    Vai me ajudar MUITO!
    Beijos!

  2. Oi Nyle! Faz um tempo que venho acompanhando teu blog, e quero te parabenizar pelo teu trabalho e dedicação com ele! Teus textos foram uma das maiores influências para eu começar a usar cosméticos orgânicos.
    Mas tenho uma dúvida: fico muito confusa com esses óleos essenciais… qual a diferença de óleo vegetal e óleo essencial? E tipo, porque posso usar óleo de amêndoas no corpo inteiro mas não posso usar cosmético com óleo essencial? Se você puder me esclarecer, agradeço muito!!

    1. Lily, óleos essenciais são misturas de substâncias aromáticas extraídas de raízes, folhas, cascas (dentre outras partes) de plantas através de método bem sofisticados: destilação, extração por solventes, etc. Os óleos essenciais concentram os principais ativos que fornecem as propriedades terapêuticas daquela planta. Até citei o exemplo que uma gota só de óleo essencial de camomila equivale a 20 xícaras de chá dessa erva. 1 gota de óleo essencial é capaz de fornecer todos os benefícios que a camomila traz em 20 xícaras de chá. Eles são concentradíssimos, por isso precisam de diluição, se forem usados na pele podem causar fortes reações.

      Já os óleos vegetais são retirados de sementes e frutos, e também contém substâncias que proporcionam suas propriedades terapêuticas, só que diferente dos óleos essenciais, no óleo retirado das sementes a quantidade é bem baixa (quase insignificante, se for comprar friamente ao óleo essencial). Além disso, os óleos vegetais podem conter vitaminas, tem alto poder de hidratação, não evaporam (ao contrário dos óleos essenciais) e podem ter usados diretamente na pele sem perigo nenhum.

      Pra ilustrar melhor: de uma mesma planta é possível retirar o óleo normal e o óleo essencial. Só que eles vão sair de partes diferentes da planta, vão ser extraídos de forma diferente, vão ter concentrações diferentes das substâncias responsáveis por trazer os benefícios daquela planta, vão fazer efeitos de intensidades diferentes (se o óleo normal tem propriedade bactericida, por exemplo, o óleo essencial tem propriedades bactericidas com MUITO mais eficácia), um pode ser usado diretamente na pele e o outro não, etc. A diferença básica é essa!

      E Lily, não sei se você está grávida, mas caso não esteja, você pode usar cosmético com óleo essencial tranquilamente, bem como o óleo vegetal diretamente na pele sem problemas. Se você está gravida, aí servem as recomendações do post.

      beijos

      1. Nyle,

        Nem preciso dizer que adorei sua resenha, né? Obrigada!

        Depois de ler o texto, minha dúvida também era sobre a diferença entre óleo vegetal e óleo essencial, mas você já respondeu muito bem no comentário acima.

        Então, resumindo, posso concluir que o óleo vegetal pode ser usado sem problema nem restrição pelas gestantes, MAS o óleo essencial tem restrição sim e é melhor ser evitado, correto???

        Beijos!

      2. Sabrina, nem todos os óleos vegetais podem ser usados por gestantes sem restrição, justamente como eu falei, apesar de eles terem concentrações baixas das substâncias terapêuticas da planta, ainda possuem, então não é bem assim “sem restrição”, entende? Os mais indicados são: óleo de amêndoas, óleo de semente de uva, óleo de abacate, óleo de coco, óleo de argan, óleo de castanha do pará, óleo de gérmen de trigo, óleo de semente de girassol, óleo de oliva. Existem outros, não dá dizer que são SÓ esses, mas esses são os mais recomendados. Você pode encontrar outros óleos vegetais em formulações de produtos orgânicos para gestantes, certamente, mas as concentrações vão sempre estar dentro do que é seguro pra mãe e pro bebê. De um modo geral, os óleos que são seguros pra usarmos por conta própria, até mesmo puros na pele, e são os mais recomendados, são esses. Não que não existam outros, claro, mas os mais populares e usados são esses. beijoss

      3. Oi Nyle, AGORA entendi. Não tô grávida não, mas na semana passada até rolou uma suspeita e eu lembro de ter pensado: bom, seu eu estiver, como agora uso produtos naturais/orgânicos, não deve ter problema… e então, eu me deparo com esse post! por isso as dúvidas e o interesse a respeito. Adorei o post e achei importantíssimo o esclarecimento de que nem todos os produtos orgânicos podem ser usados por gestantes e bebês, eu nem fazia ideia…vou aguardar teu post sobre marcas e produtos recomendados (não que eu esteja planejando usá-los hehe, mas informação é tudo, principalmente pra mim que sou iniciantes no uso de produtos naturais/orgânicos).
        Obrigada por esclarecer as dúvidas e mais uma vez parabéns pelo blog! 🙂
        Bjs

      4. Lily, fico feliz que se preocupe com o assunto! Já publiquei o post sobre marcas orgânicas/naturais pra gestantes, depois dá uma olhada! beijoss

  3. oi nyle, uso produtos da natura e a maioria são feitos com óleos esseciais será que tem algum problema em usar mesmo não estando gravida? vc cita o jaborandi por exemplo, estimula o útero, então se eu usar um produto com esse óleo ele vai estimular meu útero? mesmo não estando grávida? confesso que fiquei com um certo receio em usar produtos que contenham óleos na fórmula. gosto muito da linha ekos da natura, tenho o frescor de copaíba, o raras pripiocas, o pitanga amarela, o de maracujá e o de castanha do pará será que posso usar todos eles? sem contar os sabonetes e os hidratantes tb da mesma linha ekos, vc fala que o copaíba pode causar má formação no feto, e não estando grávida pode causar que mal para quem usa? fiquei muito em dúvida com relação aos produtos que tenho? bjos!!

    1. Maria, para mulheres que não estejam grávidas não tem problema, a menos que você tenha algum problema grave de saúde. Por exemplo: óleo essencial de alecrim deve ser evitado (ou deve ser usado em doses bem baixas) por quem tem pressão alta, pois pode agravar esse quadro. Se você não tem problemas com fluxo menstrual muito intenso (devido a algum distúrbio nos ovários, por exemplo), em doses normais em cosméticos esses óleos essenciais que estimulam o útero não vai te causar nenhum mal. Pode ficar tranquila e usar os produtos que você usa normalmente, se você não está grávida e não tem nenhum problema crônico de saúde não vai te fazer mal as concentrações encontradas nos cosméticos, ok? beijos

  4. nyle, esqueci de perguntar, existe alguma diferença entre óleo vegetal e essencial? lembrando que uso o shampoo e o óleo corporal de andiroba tb da natura.Será que tem augum problema em usar todos esses produtos.

  5. Muito bom o post, Nyle! Não tô grávida e nem pretendo engravidar por uns bons anos, mas o anticoncepcional tava me fazendo muito mal mesmo, conversei com meu médico e decidimos que era mais seguro parar. Agora, claro, fica o medo da camisinha falhar…e eu vivo usando alguns óleos essenciais pra “turbinar” os shampoos orgânicos e óleos vegetais, seja pra controlar a oleosidade ou pra cuidar de algumas espinhas que teimam em aparecer. Aí passei a me questionar, vai que o método falha e eu continuo usando os oe´s? Medo. Esperando ansiosa pelo post de amanhã…acho que nenhum blog se propôs a tratar desse público alvo. Parabéns mesmo! Bastante esclarecedor.

    1. Anticoncepcional é uma bomba, um mal necessário para algumas mulheres :/ mas agora você já está esperta, aí pode ficar de olho e tomar cuidado. beijoss

  6. Oi Nyle, que bom q existe pessoas com tanta dedicação como vc. parabéns. como sou nova por aqui ,talvez n tenha encontrado…. mas gostaria de saber sua opinião sobre os produtos da granado e da linha Marcelo Beauty ( não se é assim q se escreve). se vc. conhece ou já tenha feito algum post. obrigada.

  7. nyle querida, obrigada por esclarecer minhas dúvidas com relação aos óleos essenciais e vegetais. gostaria que se possível fosse, tirar uma dúvida sobre demaquilante, pois tenho que trabalhar maqueada. É que quando vou retirá-la uso o mesmo demaquilante nos olhos e no rosto e quando acaba uso creme hidratante para o rosto como tal. será que isso de certa forma faz algum mal para os olhos. sinto que eles ardem um pouco quando uso hidratante para retirar a maquiagem. Ficarei muito grata se tiver alguma dica de demaquilante para os olhos e para o rosto tb. bjs minha linda!!

    1. Maria, creme hidratante não é indicado pra retirar a maquiagem. Como demaquilante facial e até pra área dos olhos, você pode usar óleo de amêndoas, eu expliquei no post, inclusive coloquei um link explicando como proceder. beijoss

  8. Nyle, adoro os produtos da Quem disse Berenice eles falam que não têm em sua fórmula Parabeno. Você conhece a marca, o que acha dela?

    1. Mari, eu não uso a marca e não recomendaria, apesar de não ter parabenos possui óleo mineral e muitas substâncias polêmicas/prejudiciais. beijoss

  9. Excelente post, muito obrigada pela elucidação e parabéns pelo trabalho!

    Uma dúvida: onde posso conseguir óleo de amêndoas 100% puro?

    1. Eu que agradeço o carinho! Eu uso o óleo da marca Now Solutions, que é 100% puro https://lookaholic.wordpress.com/2013/01/25/oleo-de-amendoa-doces-sweet-almond-oil-now-solutions/ aqui no Brasil tem as marcas Laszlo, Bioessência e By Samia, mas não saberia dizer se são 100% puros mesmo, acho bacana você entrar em contato com as marcas. Eu estou quase certa que sejam puros ou que tenham no máximo vitamina E (que conserva), mas só pra garantir manda um email pra esses sacs! beijoss

      1. Obrigada pela dica! Comprei no iherb e usei o cupom que você repassou. Adorei o site!

  10. OI Nyle!

    Esse post fala exatamente sobre o que eu precisava ler, obrigada! Estou grávida e não consigo achar shampoo e leave in veganos que não contenham óleos essenciais, parabenos e BHT. Você saberia me indicar?

  11. Boa noite,

    Li todo o artigo, mas continuo com uma dúvida: em produtos comerciais, qual o critério? gostaria de saber se uma gestante do primeiro trimestre poderia usar os seguintes produtos:

    Shampoo de Maracujá e copaíba com óleo essencial de Alecrim da Surya
    Shampoo Refrescante Purificação da Raiz Hortelã + Melissa + Alecrim

    Obrigada!

  12. eu to gravida e não sabia que andiroba fazia mal pro bebê, agora eu fiquei com medo, comprei um xarope que tem isso e tomei quando eu vi seu post quase eu cai pra traz de tanto medo, sera que vai prejudicar meu bebe em alguma coisa ai meu Deus 😦

    1. Ana Paula, dependendo da concentração de andiroba que tenha nele pode não dar problema nenhum, fica tranquila. Na dúvida não é bom ficar tomando andiroba via oral, é meio polêmica, mas acho que você deve ir no médico chegar se tá tudo bem. Eu creio que está sim, mas vá ao médico só pra garantir e te deixar mais tranquila. beijos

  13. Nyle,

    Uma dúvida. Onde você escreveu:
    ” * o uso oral durante a gravidez é polêmico e geralmente não é recomendado. O uso tópico pode ser administrado em baixas dosagens (como eventual ingrediente de algum cosméticos para mães ou bebês) para não causar problema”

    Você está se referindo a prímula e ao gengibre?

  14. Querida, ainda me encontro na duvida…
    Estou gravida d 4 meses e estou usando o oleo Ekos de andiroba da natura, eu posso continuar usando ou nao?desculpe-me mas espero sua resposta pois agora fiquei preocupada. Desd ja agradeco!

    1. Suellen, essa informação precisa ser obtida através do SAC da marca. Não teria como te informar. Mas a melhor opção sempre é o óleo de amêndoas puro…

  15. oi estou gravida de 27 semanas e uso o actine sabonete liquido e na formula dele diz que tem o salicylic acid to preocuada sera qiue faz mal

  16. Olá, Bom dia.

    Esse final de semana acabei usando um gel e fiquei muito preocupada depois que li o seu rótulo. Lendo esse seu artigo, me identifiquei.

    Estou de 28 semanas e usei um gel para massagem nas costas a base de Noni, Erva de Santa Maria, Barbosa, Confrei, Andiroba, Arnica, Centelha Asiátiva, Malva, Copaíba, Arruda, Canela, Alecrim, Aroeira, Camomila, Barbatimão, Castanha da Índia e Castanha do Pará.

    Pesquisando essas ervas no seu artigo, algumas são abortivas e outras gera má formação.

    Imediatamente quando li o rótulo tomei um banho e lavei as minhas costas com sabonete. Uma pergunta: Pode ter ocasionado algum problema para o Bebê? Sinto ela se mexer o tempo todo, porém fiquei preocupada com a má formação.

    1. Acredito que não, Nessa, mas acho importante você marcar uma consulta com o obstetra pra ver se está tudo bem através de um ultrassom. Só por segurança!

  17. Oi, Nyle! Tudo bem? Você sabe algo sobre o uso de óleo essencial de melaleuca e/ou óleo de coco para combater candidíase durante a gravidez? Obrigada!

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s