Experiência: parando de fumar (parte 1)

Quem me conhece mais de perto acompanhou e acompanha a minha “luta” para parar de fumar há um bom tempo. Sei que deve ser surpresa para muita gente aqui, mas sim, o cigarro já fazia parte da minha vida desde os 14/15 anos. Quando fiz 19 e já não conseguia mais ficar sem no mínimo 10 cigarros por dia, não tinha fôlego para nada e minha pele estava simplesmente um lixo, vi que eu precisava tomar alguma atitude.

Foi uma escolha difícil, confesso. Quando eu era mais nova, eu não pensava em ter filhos, não pensava na minha saúde, não pensava na minha pele, nos meus dentes, realmente não pensava em nada: simplesmente fumava e gostava, me sentia confortável, menos frustrada. Felizmente, essa situação foi mudando e por mim e pelas pessoas que eu amo, decidi largar o cigarro.

Como eu já sabia que parar da noite para o dia seria praticamente impossível, estabeleci metas. Comecei diminuindo 1 cigarro por semana, depois passei a diminuir 2. Quando meu corpo já estava acostumando, estabeleci que fumaria uma quantidade x de cigarros diariamente: primeiro estipulei 8 cigarros por dia até, no decorrer das semanas, chegar na quantidade de 5 cigarros por dia.

A partir dessa fase começou a ficar tão difícil que se eu pudesse dar um conselho a qualquer pré-adolescente, seria: não fume, nunca. Náuseas, tonturas e dores de cabeça foram as respostas mais comuns do meu corpo diante da diminuição mais acentuada da nicotina.

As atividades físicas e a diminuição do número de xícaras de café diariamente (além de ter o vício do cigarro, tinha o do café também) me ajudaram a lidar com a vontade de fumar e os diversos efeitos da abstinência da nicotina, mas ainda sim era difícil.

Por um tempo estagnei nos 5 cigarros diários porque as náuseas acabavam comigo, mas depois acabei tirando força nem sei de onde e segui em frente, diminuindo para 3. Na minha cabeça só se passava: “você que começou essa merda, agora termine”.

Depois de um tempo, assim como ocorreu anteriormente, estagnei nos 3 cigarros. As náuseas e os outros efeitos continuaram por pouco tempo até o vício começar a afetar meu psicológico: eu ficava cada vez mais triste, mal humorada e irritada, mesmo sem motivo.

Mais uma vez, tirando força sei lá de onde, continuei. Dessa vez, depois de ter chegado tão longe, eu já estava mais determinada e o fim disso tudo não me parecia tão distante. Passei a alternar: um dia 3 cigarros, outro dia 2. No decorrer das semanas, um dia – embora muito difícil – 1 cigarro, outro dia 2. Um dia sem cigarro, outro dia 1. Três dias sem cigarro, posteriormente um e assim foi evoluindo.

Há alguns meses atrás (essa coisa de parar de fumar já durava 1 ano e pouco), cheguei na etapa mais difícil disso tudo porque eu não tinha noção do quanto a ausência de uma substância pudesse afetar meu psicológico. Os dias sem cigarro ficavam cada vez mais constantes e o meu cérebro reagia me fazendo sentir uma tristeza que eu não consigo mensurar.

Por fim, eu conseguia ficar 15, 20 dias sem cigarro, depois 25 e agora, estou há uns 2 meses sem fumar. Não vou mentir, às vezes sinto falta, mas quando eu penso em tudo que eu tive que passar para chegar onde estou, a vontade vai embora.

Série “Brasil sem cigarro” – Dicas para parar de fumar

As náuseas, dores de cabeça e tonturas passaram. A tristeza, o mau humor e a inquietação – que antes eu pensava que jamais iriam embora – foram se “dissipando” aos poucos. De vez em quando ainda dão as caras, não vou mentir, mas estou realmente bem melhor e melhorando a cada dia.

Muita gente pode achar que posts como esses são desnecessários, mas eu discordo. Para quem nunca fumou, acho que tudo que foi dito anteriormente já serve como um “aprendizado”. Para quem fuma e quer parar, pode ser que o meu método sirva como um incentivo.

Para não ficar muito cansativo, amanhã falarei dos benefícios que eu consegui por ter parado de fumar, vou dar dicas de como lidar com a “abstinência” e também vou esclarecer certos mitos relacionados ao assunto. Para quem tiver interesse, vale a pena conferir!

Anúncios

19 comentários sobre “Experiência: parando de fumar (parte 1)

  1. Um post assim é tudo, menos desnecessário! Admirável sua força de vontade! Siga em frente!

    Envio as melhores energias para você!

    Bju!

  2. Cara, eu sei o como isso é foda, e o quanto é difícil!
    Todos os dias da minha vida desde de que eu tento parar tem sido uma caixinha de surpresas (péssimas). Adorei o post Nyle. Seu blog vai muito além de um monte de coisas fúteis que outros blog tem. Isso, os cosméticos cruelty-free, as vida vegetariana! Tem a ver com a vibe que eu to vivendo agora, e poxa isso é assunto de conteúdo, né?!
    Esse lance do cigarro é o mais foda. Ainda mais pra quem começa novo =/

    Bom, vou continuar acompanhando aqui!
    Abraços 🙂

    1. Muito obrigada, mesmo, fico feliz em ver que estou fazendo algo diferenciado! Tomara que você também consiga parar de fumar, vale muito a pena. Se precisar de ajuda, estarei aqui! Beijoss

  3. Parabéns Nyle pela força de vontade, meu irmão fumou muito tempo mais depois de quase dois anos tentando também conseguiu parar, hoje é uma pessoa muito mais saudável e de bem com a vida, pratica exercícios físicos e já está planejando um bebê, só benefícios. Parabéns mais uma vez.

    1. A possibilidade de vir a ter um bebê também me motivou a parar! Fico feliz pro seu irmão, mesmo! Beijos Cris

  4. Parabéns!! Vou passar esse vídeo aqui na empresa assim que der!
    Consegui deixar de fumar também, faz 01 ano que parei.Hoje não sinto falta.

    Como eu fumava pouco 01 ou 02 cigarros por dia eu achava que pararia quando eu quisesse… ah tá…
    Como o vicio sempre está atrelado a uma ação ele vira um hábito e daí complica.

    Ex.: Me lembro de uma mulher dando um depoimento que ela acordava e punha a água do café pra ferver e já acendia o cigarro, depois quando parou, o ato de colocar a água pra ferver era um inferno pra ela porque além de sentir a falta do cigarro ela sentia que tava faltando alguma coisa, que era a ação de acender o cigarro que virou rotina.

    Pode ser rotina, horário, emoção, evento social…

    O ato de parar de fumar se dá em um nível não intelectual somente… até porque todo mundo sabe racionalmente que fumar faz mal.

    É emocional e físico (dependência química) também, por isso que é foda parar.

    Mudar a rotina me ajudou muito.

    Precisa cair a ficha, dar aquele estalo, tomar consciência… e partir da própria pessoa, por isso é importantíssimo falar a respeito.

    Parabéns pelo post e pela partilha.

  5. Que foda, cara, eu tambem fumo tem uns 3 anos e to parando mais ou menos como voce parou e estou há quase 3 semanas sem cigarro, ta bem foda considerando todos os estresses do dia-a-dia, mas ver que mais alguém conseguiu quase do mesmo jeito que eu to parando é um puta incentivo, e parabéns pela força de vontade e principalmente pela decisão que voce tomou (:

  6. Nossa, não consigo te imaginar fumando! rs
    Desejo-te boa sorte e nos avise sobre os seus progressos para apoiar aqueles que estão nessa mesma saga! Odeio cheiro de cigarro, odeio saber que estou inalando as milhares de toxinas provenientes do cigarro e odeio saber os riscos que meus pais, fumantes, correm ao fumar o mundo…
    Como eles estão planamente conscientes dos males (meu avô morreu de câncer no pulmão e meu pai já teve até um infarto! Voltou a fumar uns 3 anos depois disso…), acabo respeitando a escolha deles, mas já consegui que eles fumem apenas aqui na varanda e com a porta fechada! Espero que um dia, por mais tarde que seja, eles desejem ficar longe dessa droga!
    Desabafei. Ufa.

    beijos!!!!

    1. Mayra, infelizmente pro fumante parar, ele precisa querer, porque realmente não é fácil. Uma hora ou outra eles tomam essa consciência, mas a gente só torce que não tomem tarde demais, né? :/ beijoss

  7. Depois de inúmeras tentativas frustradas nesse ultimo ano, resolvi parar na virada de 2016… Fumava quase dois maços por dia e parei de uma vez… Ta horrível … Mas é o que eu quero… É legal ver postagens de quatro anos atrás ajudando pessoas como eu ate hoje… Obrigado.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s