Guia detalhado sobre bases: parte 2

Olá, como estão?

Dando continuidade ao guia que começou ontem (veja aqui a primeira parte), agora falaremos sobre cor, acabamento, os tipos de base e suas respectivas texturas.

Parte 2:

Tipos de acabamento das bases

O acabamento seria como fica o aspecto da base no rosto.

  • Acabamento mate: sem brilho. Proporciona aspecto “fosco” à pele. O mesmo acontece com o semi-mate: é fosco, mas nem tanto.
Na foto: Taylor Swift. Um exemplo de como fica o acabamento mate na pele.
  • Acabamento acetinado: é o acabamento situado entre o mate e o brilho bem suave. É um meio termo, digamos. Alguns acetinados tendem mais para o brilho, enquanto outros podem tender mais para o mate.
  • Acabamento iluminado: proporciona um aspecto brilhoso à pele. Não confunda: o brilho, nesse sentido, não quer dizer “com glitter”ou coisas do tipo. Quer dizer que confere um aspecto iluminado ao rosto e não fosco, como o acabamento mate.
Na foto: Julia Petit. Um exemplo de como fica o acabamento iluminado na pele.

Tipos de textura

  • Bases líquidas: são as mais comuns e versáteis. Vão da textura líquida bem fluida até as líquidas mais densas. Espalham com facilidade. Variam na cobertura, no acabamento, podem conter óleo ou não, podem ser à base de água ou não, mas a regra é: quanto mais fluida, mais leve será a cobertura. Ou seja, mais natural ela ficará na pele e menos imperfeições ela esconderá.
  • Bases mousse: são “aeradas”, geralmente dão cobertura baixa. São secas e menos consistentes, não espalham com muita facilidade. Costumam a dar acabamento mate. Ponto negativo: podem evidenciar pequenas escamações da pele, “casquinhas” ou imperfeições do tipo. Portando, para usar bases assim, é extremamente necessário estar com a pele esfoliada e hidratada.
  • Bases cremosas: são densas, geralmente de cobertura alta. Dependendo da base, não espalha com facilidade. Podem ser compactas ou em bastão. Costumam a dar acabamento acetinado. Ponto negativo: podem acumular nas linhas de expressão.
  • Bases minerais: são bases em pó, geralmente pó solto. Podem ser usadas por peles sensíveis, pois são hipoalergênicas (o risco de causar alergia é menor). A cobertura depende da quantidade de camadas, mas geralmente é de média a alta. O acabamento costuma a ser acetinado ou mate.
  • Bases não-comedogênicas: são bases com estrutura química não-gordurosa, sem potencial para entupir os poros. São bases ideais para peles oleosas e mistas. Hoje em dia é difícil achar uma base que não seja não-comedogênica.
  • Bases oil-free: são bases que não levam óleo em sua composição.

E a cor?

Procure uma cor que seja igual ou bem próxima à sua pele e ao mesmo tempo não destoe demais da cor do seu pescoço: muitas pessoas podem se esquecer desse detalhe. Evite testar no dorso da mão, pois geralmente o tom é bem diferente do rosto.

Está acabando! Amanhã será a terceira e última parte do guia e já que agora você sabe completamente os conceitos, falarei das bases corretas para cada tipo de pele.

Um comentário sobre “Guia detalhado sobre bases: parte 2

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s